Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2016

CNBB Virou Mera Promotora da Agenda Petista

CNBB Virou Mera Promotora da Agenda Petista (28/10/2016) Desde o surgimento do Partido dos Trabalhadores, na década de 1980, a Igreja Católica e um de seus principais representantes, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), tiveram papeis importantes na divulgação e defesa da agenda sócio comunista do PT. A agenda petista, apoiada pela CNBB, inclui; - Distribuição indiscriminada de dinheiro, sem a contrapartida do trabalho; - Assistencialismo do Estado; - Implantação da ditadura do proletariado; - Estatização total das atividades econômicas, editoriais e educacionais; - Desarmamento da população ordeira; - Posição contrária à redução da maioridade penal; - Defesa do mandato de Dilma Roussef; - Posição contrária ao ajuste das contas públicas; - Ideologia de gênero; - Crença de que “ os fins justificam os meios ”. Em incontáveis ocasiões a CNBB apoiou publicamente um ou outro desses itens da agenda petista. Recentemente a CNBB d

Fazendo a Coisa Certa no Lugar Errado

Fazendo a Coisa Certa no Lugar Errado (23/10/2016) Vendo outro dia uma manifestação contra a violência, realizada por grupos pacifistas numa avenida do Rio de Janeiro, lembrei-me de uma velha anedota a respeito de fazer as coisas certas nos lugares errados. Eis a anedota: “Um cidadão caminhava pela rua numa noite escura, quando avista uma pessoa agachada sob a luz de um poste de iluminação em atitude de quem procura alguma coisa no chão. Acercou-se e perguntou:     - O que está fazendo aí, amigo? O outro responde: - Estou procurando minha carteira, que deixei cair; - Então vou ajudar a procura-la, falou o cidadão. Ato contínuo, agachou-se e começou a olhar detalhadamente o chão em torno do poste. Depois de muito procurar, desistiu e falou: - Não achei sua carteira. Tem certeza que a perdeu aqui? - Não, respondeu o dono da carteira, perdi a carteira lá embaixo, no fim da rua; - Então por que está procurando aqui? - É que lá embaixo está muito escuro e não se e

Multiculturalistas Defendem o Monoculturalismo

Multiculturalistas Defendem o Monoculturalismo (23/10/2016) Não, o título não está errado. Já vou explicar. São as mesmas pessoas de esquerda as maiores defensoras do multiculturalismo e da diversidade de pensamento e opinião, da livre expressão e manifestação. E essas mesmas pessoas são as maiores apoiadoras de ideologias em cujas doutrinas estão explicitamente registradas as intenções de hegemonia e da eliminação das demais ideologias, culturas e religiões. Defendem o comunismo, que, em essência, prega a regulação da vida das pessoas no sentido de torná-las todas iguais, sob um único partido, um único governo, sem oposição e sem liberdade de expressão. Veja o que aconteceu na fracassada União Soviética, que forçou dezenas de milhões de pessoas a deixarem seus lares e irem para outras regiões; cometeu genocídios para reduzir o apego às culturas regionais. Suprimiu bandeiras e hinos dos países integrantes, vários deles inclusive “integrados” usando forças militar

A Redenção dos Três Bandidos

A Redenção dos Três Bandidos (22/10/2016) Se fosse dado a mim o poder e a obrigação de estabelecer a redenção de apenas três dentre as dezenas de bandidos descobertos na política brasileira desde a tomada do poder pelo PT, imediatamente escolheria Roberto Jefferson, Eduardo Cunha e Delcídio do Amaral, citados aqui apenas em ordem cronológica das justificativas de suas escolhas. Não é para perdoá-los, porque os três são bandidos, mas sim apenas para levar em consideração o que fizeram para merecer o benefício de alguma atenuação da pena. Roberto Jefferson surgiu no noticiário policial em 2005, ao escancarar na mídia o “mensalão do PT”. Lembro de algumas frases dele na ocasião, citando apenas duas, “ o carequinha de minas [Marcos Valério], vem frequentemente a Brasília, com malas cheias de dinheiro para distribuir aos políticos” e “José Dirceu, sua visão desperta-me alguns instintos muito primitivos”. Suas declarações viabilizaram a exoneração da chefia da Casa

ONU Virou Mera Promotora da Agenda Socialista

ONU Virou Mera Promotora da Agenda Socialista (24/12/2016) Em 1945, ao final de segunda grande guerra mundial, foi criada a Organização das Nações Unidas (ONU), com a finalidade de servir de palco para debates entre as nações, reduzindo assim o risco de novos conflitos armados entre nações ou grupos beligerantes. Assim como aconteceu com sua antecessora, a Liga das Nações, a ONU vem fracassando sistematicamente na mediação de conflitos entre as nações, em razão da perda de credibilidade perante a maioria das maiores economias do mundo. A perda de credibilidade deve-se principalmente ao forte viés político de seus organismos internacionais, que vêm atuando fortemente apenas na promoção de programas da agenda de países e partidos socialistas. Para ter uma ideia de quanto a ONU desviou-se de sua finalidade original, basta dizer que a FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), está financiando programas relacionados à “Formação, Saúde e Educação

Governos Sofrem de Dissonância Cognitiva

Governos Sofrem de Dissonância Cognitiva (17/10/2016) O Jornal Nacional, da Rede Globo, na edição de 14/10/2016, veiculou uma extensa reportagem, que pode ser vista aqu i , mostrando o quanto pode ser perigoso para a saúde o hábito dos brasileiros da automedicação. Entrevistaram médicos corporativistas para corroborar os malefícios do hábito, além de dezenas de pessoas, politicamente corretas, desaprovando a conduta dos brasileiros. Apenas uma mulher de Belém, a capital onde mais de 90% das pessoas se automedicam, declarou ser obrigada a fazer isso porque não consegue consultar médicos quando precisa e que se for esperar a consulta passaria semanas sofrendo com os sintomas da doença.  A reportagem segue adiante sem sequer cogitar a possibilidade da verdadeira causa do hábito de automedicar-se ser o péssimo serviço de saúde provido por todos os governos, tanto federal, quanto estadual e municipal em todas as grandes cidades brasileiras. Apesar de já existir o ser