Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2016

Ahl al-Kitāb – Povo da Bíblia (Judeus e Cristãos)

Ahl al-Kitāb – Povo da Bíblia  (Judeus e Cristãos)  por Peter Townsend Qualquer um que tenha participado de algum evento de divulgação de uma mesquita, aberto para não-muçulmanos, estará familiarizado com o termo “Povo da Bíblia”. Trata-se de uma categoria especial de monoteístas (Judeus e Cristãos), de acordo com o Corão.       Isso supostamente “prova” que os adeptos dessas religiões nada têm a temer da presença do Islam . Há, no entanto, vários problemas com esse confortável sentimento. Considere o seguinte: Significativa proporção da população ocidental não pode ser descrita como pertencente ao “Povo da Bíblia”, por mais que se exercite a imaginação . Existem muito habitantes do ocidente que não pertencem ou praticam qualquer religião (ateístas e agnósticos), assim como muitas pessoas (budistas e hindus), classificados como idólatras pela teologia islâmica. Essa gente não pode ser classificada como “Povo da Bíblia” e fica num segmento de tratamento mais

Kufar = Descrente (não-muçulmano) - Peter Townsend

Kufar ou Kafir - Descrente  (não-muçulmano) por Peter Townsend Ser chamado de descrente não parece ser algo muito ruim. Em alguns contextos é obviamente apenas uma afirmação sobre um fato (i.e., essa pessoa não foi submetida ao Islam ). Quando, no entanto, você lê a descrição de descrente no Corão fica claro que Allah o odeia com grande inclemência e aconselha seus seguidores ao fazerem o mesmo.  Então, a despeito da sua tão propalada tolerância, o Islam tem uma visão muito rigorosa por daqueles que não lhe estão submetidos. Esse ódio está explícito nos capítulos finais do Corão e também em muitos capítulos do livro “Tradições” ( Hadiths ). Infelizmente para o mundo não-muçulmano, partes finais do Corão tem maior peso teológico que as partes iniciais, por causa da “Regra de Ab-rogação” ( naskh ), determinando que as revelações mais recentes são mais importantes que as mais antigas.  Alguns não-muçulmanos ficam muito surpresos com a quantidade de impropérios incluí

Dhimmi - Pessoa Protegida (Vassalo)

Dhimmi - Pessoa Protegida (Vassalo) por Peter Townsend Na seção anterior vimos que o “Povo da Bíblia” não pode de forma alguma ter o mesmo status dos muçulmanos de acordo com os ensinamentos islâmicos. Eles são, de fato, para serem combatidos até “serem subjugados e sentirem-se subjugados” (Corão 9:29). Essa subjugação não é meramente teórica.  A lei Islâmica contém detalhadas instruções de como a comunidade deve ser organizada de forma a que as pessoas subjugadas sejam mantidas em seus lugares apropriados. Isso foi realizado por meio de uma instituição chamada “ dhimma ” ou pacto de proteção. Uma pessoa vivendo sob essa denominação é chamada de “ dhimmi ” (ou pessoa protegida). Isso soa como um arranjo maravilhoso, mas rapidamente fica claro que esse tipo de “proteção” é semelhante ao tipo de proteção provido pela Máfia. A instituição de “ dhimma ” se manifesta em diferentes formas pelo mundo muçulmano. Por exemplo, em algumas comunidades somente Jud

Jihad - Luta [pela causa de Allah]

Jihad – Luta [pela causa de Allah] por Peter Townsend A palavra árabe “jihad” significa “esforço” ou “luta”. Muitos defensores do Islam proclamam que a palavra é completamente mal interpretada no ocidente e que é simplesmente uma “luta interna” de cada indivíduo. Esse argumento será discutido adiante, mas deixem-me dizer por agora que a expressão “jihad no caminho de Allah” (al-jihad fi sabil Allah) sempre carrega a conotação de luta física, tanto no Corão como nos hadiths . É uma ideia perigosa, em outras palavras, que todos os meios são lícitos, inclusive a violência pode ser usada, para aumentar os domínios de Allah.       Qualquer discussão sobre a possível relação entre o Islam e a violência será controversa, especialmente sempre que existam posições muito arraigadas, tanto entre os muçulmanos quanto nas comunidades não-muçulmanas. É minha intenção nesta seção lidar com esse assunto calmamente e deforma desapaixonada e, tanto quanto possível, simplesmente refer